Nova Ferroeste tem edital divulgado. Ligação ferroviária vai transformar o País
21/06/2022 - 18:05

Ferrovia ligará Maracaju, no Mato Grosso do Sul, ao Porto de Paranaguá tem contraprestação mínima, o chamado lance inicial, de R$ 110 milhões.

Nesta terça-feira (21) o Governo do Estado lançou a consulta ao edital de leilão da Nova Ferroeste, no Palácio Iguaçu. A linha férrea vai ligar Maracaju, no mato Grosso do Sul, ao Porto de Paranaguá. Fará ligação com Santa Catarina através de um ramal e impactará diretamente 67 municípios, beneficiando o agronegócio e sendo uma solução logística para o Sul e Sudeste do Mato Grosso do Sul.

“A Nova Ferroeste vai transformar a infraestrutura do Sul do País definitivamente”, ressaltou o coordenador do Plano Ferroviário do Paraná, Luiz Henrique Fagundes.

O projeto já nasce como o segundo maior corredor de grãos e contêineres refrigerados do País, o que deve transformar o Paraná num hub logístico da América do Sul por atrair parte da produção de países vizinhos como a Argentina e o Paraguai. Se estivesse em operação hoje, a ferrovia poderia transportar cerca de 38 milhões de toneladas de produtos, 26 milhões de toneladas seguiriam diretamente para o Porto de Paranaguá.

O Paraná é um dos Estados mais sustentáveis do mundo segundo a OCDE, a Nova Ferroeste terá 1.304 km de extensão e com captação de carga expressiva em toda a região que abrange. É uma das regiões que mais cresce no país, somos o maior produtor de alimentos por metro quadrado do mundo e junto com Santa Catarina somos o maior exportador de carne suína, representando 71 % da exportação deste produto, 70 % da carne de frango e Mato Grosso do Sul é o maior exportador de carne bovina do Brasil. Além destes produtos a produção de grãos representa uma boa parcela de exportação justificando a implantação da malha ferroviária no Estado desembocando no Porto de Paranaguá.

Sustentabilidade – Além de unir o Paraná ao Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, dois dos principais polos exportadores do agronegócio brasileiro, a Nova Ferroeste vai nascer verde e sustentável. O projeto foi incluído na Iniciativa de Mercados Sustentáveis da Coroa Britânica. Foi desenvolvido para ter o mínimo possível de impacto socioambiental. O traçado não prevê nenhuma interceptação em comunidades indígenas, quilombolas ou em Unidades de Proteção Integral.

Os técnicos responsáveis alinharam o traçado a um distanciamento mínimo de cinco quilômetros dessas coletividades ou pontos de conservação. Já no final do percurso, toda a estrutura da nova ferrovia que vai cortar a Serra do Mar foi alinhada com o Plano Sustentável do Litoral, concebido em 2019.

O Estado do Paraná está de Olho nos ODS que hoje conta com a participação dos 399 municípios, com projetos de sustentabilidade em todos os setores. Este projeto está dentro dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), melhorando o escoamento da safra com economia, diminuindo a poluição, gerando novos empregos, trazendo crescimento para os municípios e, automaticamente, melhor condição de vida para seus cidadãos.

“Esse é o último capítulo de uma novela de mais de 20 anos. Quando assumi o governo, em 2019, fui perguntar se existia projeto, estudo ambiental e de viabilidade. Não existia nada. Ou seja, a Ferroeste serviu apenas para cena política nos últimos anos. Nós confiamos nesse projeto, um projeto transformador, que vai atender o Brasil por inteiro. Agora o mundo terá a oportunidade de investir nessa grande corredor de exportação”, afirmou Ratinho Junior.

Mais informações no site www.aen.pr.gov.br.

Fonte: www.aen.pr.gov.br e www.novaferroeste.pr.gov.br.